Site acessível em libras
Tamanho das fontes

Colaboradores da APAE Socorro são capacitados na rede de parceiros da CIAP/SE

Em 10/1/2020 às 08:59

Na manhã desta sexta-feira (25), a diretoria e profissionais da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Nossa Senhora do Socorro (SE) participaram de uma capacitação na rede de parceira na Central Integrada de Alternativas Penais de Sergipe (CIAP/SE), setor vinculado à Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Defesa do Consumidor (SEJUC), no Conjunto Marcos Freira II. A meta é levar pessoas com penas alternativas para prestar serviços sociais na instituição que atende pessoas com deficiência.

O encontro aconteceu na sede da CIAP/SE, no Conjunto Marcos Freire II, sob a orientação do coordenador Antônio Claudio Viana Soares que deu as boas-vindas e falou sobre a importância dessa parceria para ajudar na promoção da cidadania e cultura de paz, a partir da responsabilização das pessoas, garantindo a sua dignidade, autonomia e liberdade.

Para isso, as tecnologias sociais que as instituições dispõem, com seus corpos multiprofissionais, ajudarão na oferta e troca de benefícios para os assistidos da APAE Socorro e as pessoas apenadas.

“Nosso intuito não é colocar as pessoas em uma instituição e pronto. É preciso trabalhar a humanidade delas, dando cidadania e direitos. Queremos criar uma conexão para que de fato seja útil e importante para manter a boa harmonia e o bem estar das instituições. O encaminhamento via CIAP/SE não é para gerar um problema. A gente só vê como solução. Por isso, é importante está trabalhando a humanidade dessas pessoas”, explica o coordenador.

O coordenador do CIAP/SE explica que nesta tarefa de inserção social das pessoas em penas alternativas, elas são previamente capacitadas sobre a importância e o papel da APAE Socorro perante a sociedade.

Dentro desse trabalho de humanização, conscientização e responsabilidade, elas passam pelo acompanhamento psicológico e serviço social, com o acolhimento e observação das necessidades individuais. A parte documental, jurídica também é discutida com a pessoa em alternativas penais. Assim, é feito um trabalho de ressignificação e resiliência, observando habilidades que podem ser aproveitadas na rede.

“Elas vão chegar ao espaços cientes do trabalho que devem desempenhar. É fundamental a gente não reproduzir um modelo fracassado que não deu certo. Existe um Brasil que dá certo e é nisso que a gente vai apostar”, afirma, completando que elas são orientadas sobre educação jurídica, para que entendam do que estão fazendo e como lidar com isso.

A presidente da APAE Socorro apresentou o trabalho social desenvolvido pelas instituições desde 2004, que atualmente atende a 124 famílias com algum tipo de deficiência em um trabalho multiprofissional. 

“Tenho 23 anos de movimento apaeano e entendo que a APAE é para desenvolver pessoas, não é um depósito social. O nosso trabalho é com os nossos assistidos e também com as famílias, dentro de casa, para tentar avançar o desenvolvimento dos nossos alunos”, pontua a presidente da APAE Socorro, Anair Viana.

Para ela, esta parceria com a Central Integrada de Alternativas Penais (CIAP/SE) o sistema da APAE também estará a serviço das necessidades dos que estarão cumprindo atividades socioeducativas. “Teremos o maior prazer em recebê-los. A chegada deles na nossa unidade será de ganhos para todos”, afirma.

 

Fonte: Anderson Barbosa

79 3256 5272 - contato@apaesocorrose.org.br
nas redes sociais